Home » Uncategorized » Sementes que brotam da baixada: do “The Cost of Opportunity” à Política de Água Ambiental na Baixada Fluminense

Sementes que brotam da baixada: do “The Cost of Opportunity” à Política de Água Ambiental na Baixada Fluminense

Por Mitchell Ryan e Carla Castanha (Trad.)

Durante o verão de 2016, passei três semanas realizando trabalhos de campo qualitativos sobre a elevada mobilidade social na “Baixada Fluminense”, periferia urbana do Rio de Janeiro. O termo “Baixada Fluminense” refere-se rapidamente a uma rede de treze municípios distintos e únicos, muitas vezes considerados sinônimo de crime, pobreza, drogas, corrupção e violência. Consequentemente, nos encontramos na baixada, na periferia do Rio, um lugar que foi negligenciado pelos serviços públicos prestados às partes mais ricas do interior da cidade.

Estas três semanas na Baixada serviram como uma introdução intensiva à região. Todas as manhãs viajávamos de van desde o nosso alojamento, uma igreja local, até o Instituto Multidisciplinar (IM), um campus satélite da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Assistimos a palestras de professores, estudantes e membros da comunidade sobre aspectos da Baixada que vão desde a mudança de fronteiras históricas e geográficas até a qualidade do ar no ambiente e a falta de saneamento básico. Estávamos profundamente fundamentados em investigações sobre ecologia política, crescimento econômico sustentável, acesso equitativo a recursos públicos e sistemas de transporte urbano. Fomos obrigados a nos fazer perguntas complicadas, tais como: o que o crescimento econômico sustentável significa e como deve ser implementado? Quem tem acesso a seus benefícios e quem é deixado de fora? Por que demora quase duas horas e três linhas de ônibus para que esses estudantes cheguem à escola todos os dias? Qual é o impacto desta universidade sobre seu entorno?

Como estudante de graduação da UNC (Universidade da Carolina do Norte), descobri este projeto quase por acaso. Tendo passado um ano no Brasil antes da faculdade, estava procurando oportunidades para retornar e estabelecer uma conexão profissional com o país. Depois de entrar em contato e eventualmente encontrar com o Dr. French, um dos coorientadores do projeto, eu me encontrei acolhido de braços abertos. Apenas alguns meses antes da partida, no entanto, consegui garantir o financiamento através do campus da UNC, eventualmente sendo premiado com o Prêmio Halpern através do Instituto para o Estudo das Américas.

Durante nosso trabalho de campo, um palestrante de especial importância foi a professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Cleonice Puggian. Embalado em uma pequena sala de aula em uma universidade privada local com outros estudantes e professores, ouvi ela descrever a situação ambiental da região. Ela falou do esgoto, falta de serviços públicos básicos, estigma racial e ausência de políticas relevantes. Destacou a injustiça, apontando linhas coloridas em um gráfico; as linhas nos dizem que as pessoas ao nosso redor enfrentaram algumas das piores qualidades ambientais em toda a América Latina. Nossa equipe estava no Rio para estudar a questão da mobilidade social dentro de um sistema de ensino superior federal em expansão e, no entanto, nas duas semanas seguintes não pude me abalar com a gravidade de suas palavras. Como essa região se tornou tão prejudicial para as pessoas viverem? O que estava sendo feito sobre isso? Sua presença e compromisso com essas questões foi cativante. Eu sabia que precisava voltar para Duque de Caxias para aprender sobre essas questões a partir das pessoas que as enfrentavam.

Mitchell Ryan (na direita) após apresentar no IM/UFRRJ seu projeto sobre alagamentos em Duque de Caixias

Com ela e a ajuda do Dr. French, juntamente com o apoio de toda a equipe do Bass Connections, consegui fazer exatamente isso. Trabalhei para desenvolver um projeto de pesquisa colaborativa, garantindo fundos para retornar à Baixada no verão seguinte. Meu projeto buscou desenvolver uma compreensão das práticas de manejo de inundações em um dos municípios da Baixada, com uma maior ênfase nas vozes dos moradores. Por padrão, como atores primários quando as inundações ocorrem, os moradores frequentemente desenvolvem suas próprias percepções, entendimentos e estratégias para lidar com o desastre. No entanto, apesar da avançada política de gerenciamento de água do Brasil e do processo deliberativo aparentemente inclusivo, o Estado tem relutado em renunciar a qualquer poder de decisão real. A urgência e a gravidade deste problema são claras, e depois de ter passado mais de oito semanas conduzindo o trabalho de campo do Verão, sinto-me encorajado pela medida em que os moradores estão conscientes do que faz da comunidade um lugar bom ou ruim para viver. Além disso, sinto-me inspirado pela sua resiliência, trabalhando para fortalecer suas comunidades em face de um desastre persistente e de um governo corrupto.

 

 

“O Custo da Oportunidade? Educação Superior na Baixada Fluminense ” se ampliou muito além do que eu poderia ter imaginado e desempenhou um papel incrivelmente influente na minha experiência como aluno de graduação. Isso me expôs a várias facetas da pesquisa, permitiu-me manter uma conexão significativa com um país próximo e caro ao meu coração, obrigou-me a questionar criticamente o nosso sistema de ensino superior global e, o mais importante, apoiou-me em explorar plenamente minhas curiosidades pessoais e acadêmicas.

 

 


Leave a comment

Your email address will not be published.